Skip to content

Caaba Era Originalmente Um Templo PAGÃO!

A Caaba é deveria ser o mais importante centro religioso do Islão, seu sítio mais sagrado, a ser o foco da mais santa “procissão islâmica”. Quão surpreedente então que este seja na verdade um templo PAGÃO construido originalmente para a adoração de Deuses Pagãos.

Foi ditto que as paredes de Caaba estavam originalmente esculpidas com os nomes e símbolos de vários Deuses Pagãos, incluso o Deus conhecido pelo título Al-Ilah, que era o Deus Lunar mesopotâmico Sin, também conhecido como Nanna. Seu símbolo era a lua crescente com estrela:

Está bem claro de onde o Islão roubou se “deus” Alá. No antigo Médio Oriente, o título de “Al-Ilah” era concebido ao Deus-chefe de uma área ou tribo, e simplesmente significava a Suprema Divindade. Ao pegar isso, o Islão corrompeu o conceito e removeu todo o conhecimento dos Deuses Pagãos, substituindo-os com suas assombrações abraâmicas fictícias. Veja a secção sobre os Djin, os Deuses originais.

Muito destes é na verdade alegórico e tem a ver com meditação de poder e a alma. O “Templo” representa a alma. As concepções de muitos dos antigos templos pagãos pelo mundo eram altamente alquímicos em seu significado, muitas vezes a serem uma representação física do processo espiritual de iluminação. A Caaba tem a forma de um cubo, este representa a alma com seus quatro pilares. Então os nomes e símbolos dos Deuses gravados nele significa meditação na alma a fim de alcançar iluminação. Só é preciso estudar geometria sagrada e arquitectura alquímica para ver isso.

Agora, tabém é mencionado no Alcorão que Maomé descobriu 360 ídolos pagãos dentro da Caaba, que ele procedeu a destruir. Novamente, isto é muito alegórico. De uma perspectiva numerológica, 360 reduz-se ao tão importante número oculto 9. 3+6+0=9. Este é um importante número espiritual, pois relata à Magnum Opus ou iluminação espiritual. O tão importante 108, sado mais frequentemente na meditação pelo mundo e principalmente nas tradições tântricas do Oriente também se reduz em 9. Isso tem a ver com os 7 maiores chakras da coluna mais 2 chakras nos ombros, que forma a “cruz” da alma.

Então, os “360 ídolos” achados no interior da Caaba não se referem a estátuas literais, mas ao concepto espiritual relatado à alma, aos chakras e à aquisição da iluminação. Os ídolos na Caaba = a alma e os chakras. Foi este conhecimento pagão sagrado que foi destruído por “Maomé”.

O seguinte é um trecho de um sermão escrito pelo Sumo Sacerdote Don Danko intitulado “Cosmologia AUM, Siva e Caaba”. Isto ilustra mais além as origens pagãs da Caaba.

“Podemos ver na Caaba em Meca, o local mais sagrado islâmico, é originalmente um templo de Shiva. Como Daniélou aponta, Meca foi criada pelos Brahmanas da Índia. Até o número 786 em árabe, símbolo na capa do Alcorão, é um símbolo de AUM. No Sri Lanka há um templo chamado Caaba-lishwaran que é o Senhor Shiva. Ou seja, este é um diagrama alquímico (como todos os templos) para o grande trabalho. Tais templos também têm a pedra negra o Lingam de Shiva dentro deles. O mesmo que a pedra preta na Cabaa em Meca, que uma vez oi uma pedra maior Lingam antes de ser cortada em sua forma atual para esconder sua origem.

Na Índia eles ainda caminham sete vezes ao redor do lingam. Em Meca eles caminham sete vezes em torno deste. Mas o Islão alterou a direcção do movimento para o oposto. Eles ainda usam as vestes brancas como nos templos de Shiva.

Na Índia, o pedestal da Brahma (originalmente outro título de Shiva no Vale do Indo/tempos védicos, como Daniélou mostra) é octogonal, que representa a alma aperfeiçoada e os oito raios de luz a partir do chacra solar onde une-se a estrela de seis pontas de Shiva representada na região do umbigo, onde o chakra apontado para baixo se funde com o chakra sacral apontado para cima – uma de água e outro fogo. Daí Si (fogo) Va (água). E é o porquê do Deus Azul ser mostrado no chakra solar em muitos yantras.

O pedestal no centro de Cabaa: Maqam E-IBRAHIM tem a mesma forma octogonal. Ele está no centro, porque o Sol é o centro da alma e do sistema solar.

Com a Caaba, o cubo preto representa o LA, os quatro elementos que formam o corpo material a ser purificado no Tamos ou estágio negro do trabalho para a Satva Guna ou Branco. Shiva também governa sobre esta fase (pois os outros dois que formam os pinos trígonos são denotados em seu tridente). Como esta destruição ou fase de dissolução, traz a Libertação da Divindade onde o estado do tantra, o Jiva, é transformado em Shiva, ou o homem em Homem-Deus.

O ego falso ou profano é dos elementos brutos e há acumulação de propriedades kármicas condicionadas. Isso é purificado na dissolução final para um estado supra-consciente (Jiva em Shiva). Este era simbolizado de muitas maneiras diferentes.

No Sayar-ul-okul, que é considerado a mais importante antologia escrita sobre os costumes e cultura da antiga Arábia, afirma-se:

‘Va Ahlolaha Azaha Armiman Mahadev o Manazel I lamuddine Minjum Va Satyattaru!’

Que se traduz em:
‘Mesmo que apenas uma vez ele adore Mahadev, ele pode obter a mais posição alta no caminho da justiça.’

Mahadev é um grande título de Shiva, e poder-se-á ver a verdade de que Shiva era o Deus adorado na Arábia antes do Islão ser criado pelo inimigo.

Podemos ver que o Islão, juntamente com o cristianismo, é uma religião falsa.”

A Caaba, pedra negra e a peregrinação são todas de origem pagã. O Islão roubou isso da mesma forma como roubou tudo o mais antes de os corromper e distorcer. O Islão é uma mentira e uma farsa!!

VOLTAR PARA EXPONDO O ISLÃO