Skip to content

As Raízes Cristãs do Comunismo

“A teologia cristã é a avó do bolchevismo.”
– Oswald Spengler

“O cristianismo e o comunismo são muito perto espiritualmente e ideologicamente. Este é um conceito bastante conhecido que tem sido adoptado por vários pensadores, de Thomas More para Lev Tolstoy. Poucas pessoas sabem que o primeiro Estado socialista do mundo foi estabelecido no Paraguai e foi baseado nas ideias dos jesuítas católicos antes de Marx ter criado seus ensinamentos.”

“A Companhia de Jesus – a Ordem Religiosa Jesuíta – na Igreja Católica, era mais ou menos equivalente à KGB na União Soviética.”

As citações acima foram tiradas do “Pravda” (o principal jornal do Partido Comunista e principal jornal da antiga União Soviética), do artigo: Existe alguma diferença entre o cristianismo e o comunismo? 30/04/2013

“Jornais americanos afirmam que Stalin tenha sido predestinado a salvar o cristianismo.”
– Josef Goebbels 1

O comunismo não é anticristão, como comummente se acredita:

Além disso, a Igreja Católica na China tem mais de 70 milhões de membros e está a crescer. Há também a Catedral Católica Changchung na Coreia do Norte comunista, a catedral nominal do bispo católico de Pyongyang, a Coreia do Norte. A Igreja Ortodoxa Russa trabalharam lado a lado com o Partido Comunista na URSS. A violéncia contra o clero durante a revolução, era simplesmente para eliminar os elementos czaristas de suas fileiras, e nada mais. Stalin abertamente trabalhou com a Igreja Ortodoxa para ajudar o esforço de guerra Comunista para o Exército Vermelho durante a Segunda Guerra Mundial. Hoje, na Rússia, Clero de alto escalão da Igreja Ortodoxa Russa defende abertamente um movimento comunista cristã dentro de sua nação. A Igreja Católica também tem’ tinha uma mão forte no comunista, Liberation” Teologia” na América do Sul. Ele s não se enganem clero católico poderia atravessar a Cortina de Ferro durante a Guerra Fria com facilidade.

80 milhões de Bíblias impressas na China – e contando link para o artigo da “Christianity Today”.
www.christiantoday.com/article/80.million.bibles.printed.in.china.and.counti ng/27047.htm

“Ernst Bloch (1885-1977) foi um filósofo marxista alemão e teólogo ateu. Apesar dele mesmo não ser um cristão, disse que achou a “ponte” entre o comunismo cristão e o ramo leninista do marxismo. Uma das principais obras de Bloch, o Princípio da Esperança, contém declarações como: “Ubi Lenin, ibi Jerusalem (Quando Lenin está, há Jerusalém) e a realização do comunismo bolchevique é (parte de) a antiga luta por Deus.” 2

Na verdade, o cristianismo prepara a população para se abrir e aceitar o comunismo. Não há nada dentro das doutrinas cristãs ou os ensinamentos do nazareno, que entra em conflito com o comunismo de forma alguma. Cristianismo é comunismo:

  • Ambos os programas trabalham para escravizar, usando o terror, a brutalidade, assassinato em massa, e coerção. A Igreja Católica foi a KGB da Idade Média, governando através do terror, o uso da força e de assassinato em massa. A Inquisição é um exemplo flagrante.
  • Ambos os programas proíbem a posse da propriedade privada. O cristianismo prepara seus seguidores a um nível subliminar para o comunismo. Os cristãos são doutrinados a acreditar que a pobreza é uma virtude. Uma vez que este conceito se apodera a mente subconsciente, muitas vezes, uma grave falta de dinheiro é resultado, e isso às vezes até dura em vidas futuras, falando de uma perspectiva espiritual. O que isto significa é que também cria um programa de autoperpetuação, e por sua vez cria gerações de pobres. As igrejas cristãs, em seguida, aparecem como benfeitores e ajudantes dos pobres, quando o tempo todo, foram os ensinamentos cristãos que criaram e impuseram o problema. O judeu cria os problemas e, em seguida, dá a versão judaica de uma solução maldita para os gentios. Para mais informações, aqui está um link para um artigo sobre controlo cristão da mente: Programação de controlo mental e a Bíblia.
  • Não há nada espiritual sobre o cristianismo. O cristianismo é uma ferramenta para a remoção de conhecimento e poder espiritual, e substituí-los com ‘orações’ robóticas sem sentido, repetidas de uma forma corrompidas dos mantras do Extremo Oriente, e de doutrinação interminável com falsos ensinamentos destinados a dar uma posição e história fictícias ao povo judeu nas mentes dos cristãos, o que ao todo não é nada espiritual. Há poucos, se houverem, pregadores cristãos que possam fazer um diagrama da alma humana, por exemplo. A remoção e corrupção do conhecimento espiritual prepara a população para aceitar o estado comunista ateu.
  • Tanto o cristianismo quanto o comunismo apresentam-se como programas de fraternidade, promovendo a igualdade, prosperidade, boa vontade e uma melhor forma de vida, mas a fazer um exame mais detalhado de suas doutrinas e histórias reais, estes são nada mais do que uma fachada: terror, assassinatos em massa, tortura, doutrinação forçada, e manter a população ignorante é o peão de ambos os programas. Qualquer idiota que lê a Bíblia judaico-cristã pode ver claramente os relatos intermináveis de assassinato em massa, pilhagem, estupro, escravidão, tortura e ameaças de danação eterna se as doutrinas não forem levadas a sério ou cumpridas e, acima de tudo, como Judeová foi um monstro assassino e predador de gentios, não diferente do programa comunista. Para a prova disso, ver “Jeová e sacrifício sangue humano – um assassino e um mentiroso desde o princípio”.

“Mas esses meus inimigos, que não quiseram que eu reinasse sobre eles, trazei-os aqui, e matai-os diante de mim.”
Lucas 19: 27
(Citação direta de Jesus a defender assassinato)

“Rebelião” é um tabu definitivo, e é “do Diabo.”

O cristianismo também prepara seus seguidores para o comunismo, de forma que seja doutrinado para suportar injustiças. Quase todo mundo já ouviu as escrituras bíblicas sobre “dar a outra face”, “percorrer uma milha a mais”, “amar os inimigos”, e assim por diante.

Esses ensinamentos trabalham em conjunto com o comunismo em destruir o sistema de justiça e direitos pessoais. Crime é permitido até ficar tão fora de controlo (como já é), que a população não está apenas desanimada para revidar, mas se alguém defender a si mesmo, é muitas vezes castigado por isso. O que estes programas judeus fazem é armara uma armadilha. A maioria das pessoas eventualmente estarão mais do que dispostos a abrir mão de seus direitos em favor de leis ultrarrigorosas, a fim de controlar o crime. Ambos os programas proíbem de tomar qualquer acção pessoal na maneira de aplicar a justiça, e colocam essa responsabilidade nas mãos do estado comunismo e nas mãos do assim chamado “Deus” para o cristianismo. Qualquer rebeldia ou réplica é uma ofensa grave. A aceitação de abusos e injustiças e muito necessário para o estabelecimento de um estado escravocrata. Um escravo não deve nunca tentar revidar ou se rebelar de forma alguma. O ódio é outro tabu em ambos os programas.

Um olhar sobre o nascimento do comunismo:

O comunismo foi criado a partir da organização “A Liga dos Justos”. O lema da Liga dos Justos (“Bund der Gerechten” ou “Bund der Gerechtigkeit”) foi “Todos os homens são irmãos”, e seus objectivos eram “o estabelecimento do Reino de Deus na Terra, com base nos ideais de amor ao próximo, igualdade e justiça.”

“Em um congresso realizado em Londres em junho de 1847, o Liga dos Justos fundiu-se com membros do Comitê Correspondente comunista liderado por Karl Marx e Friedrich Engels, a adoção de uma nova carta e um programa de organização e reconstituindo-se como a Liga Comunista.” 3
Esta é a base da doutrina cristã.

Podemos traçar as raízes do comunismo de volta a ideologia liberal radical na Europa. Que por si só é o cristianismo disfarçado. Nietzsche declarou sobre a Revolução Francesa e sua ideologia liberal como “filha e continuação do cristianismo”.

Essa doutrina universalista, igualitária radical é o cerne do cristianismo e do liberalismo a serem um passo adentro ao comunismo. Onde liberalismo então se transformou em comunismo abertamente:

“Durante a década de 1840 a palavra “comunista” entrou em uso geral para descrever aqueles que saudaram a ala esquerda do clube dos jacobinos da Revolução Francesa como seus antepassados ideológicos. Esta tendéncia política se considerava herdeira igualitária da Conspiração dos Iguais liderado por Graco Babeuf de 1795. Os sans-culottes de Paris que tinham sido décadas antes a base de apoio de Babeuf – artesãos, jornaleiros, e os desempregados urbanos era vistos como uma base potencial para “um novo sistema social baseado na produção de máquinas modernas do dia”.

O pensador francês Étienne Cabet inspirou a imaginação com um romance sobre uma sociedade utópica baseada em máquina comum de produção – “Voyage en Icarie” (1839). O revolucionário Louis Auguste Blanqui argumentou em favor de uma elite a organizar uma esmagadora maioria da população contra os “ricos”, tomando o governo em um golpe de Estado, e instituindo uma nova ordem económica igualitária. 4

Uma análise das tendéncias emergentes do cristianismo para o liberalismo e para o comunismo:

O liberalismo é o cristianismo sem Cristo
“Which Way Western Man?” de William Gayley Simpson

Citação de Revilo Oliver:

“Os outros apóstatas que mencionei, e muitos que agora estão esquecidos, juntamente com quase todos os anticristãos dos últimos séculos, exemplificam o funcionamento do que pode ser chamado de direito de resíduos culturais. Em todas as sociedades civilizadas, quando uma crença de longa data geralmente aceita é achada ser inacreditável, boas mentes a abandonam, mas elas geralmente mantém crenças derivativas que foram originalmente deduzidas do credo que eles rejeitaram, e logicamente dependem disso. Assim aconteceu que os inimigos modernos do cristianismo rejeitaram a mitologia, mas mantiveram a fé acrítica nas superstições sociais e éticas derivadas dele – uma fé que eles estranhamente chamam de racional, mas mantém com um fervor religioso.”

“Eles riem na história boba sobre Adão e sua costela retirada, mas eles continuam a acreditar em uma ‘raça humana’, descendente de um único par de antepassados e, portanto, em uma “irmandade dos homens”. Eles falam de “toda a humanidade” dando ao termo um significado untuoso e místico com o qual eles não investem termos correspondentes, como ‘todos os marsupiais’ ou ‘todos os ungulados’. Eles tagarelam sobre os ‘direitos do homem’, apesar de que um momento de reflexão deve ser suficiente para mostrar que, na auséncia dos decretos de um monarca sobrenatural, não pode haver outros do que aqueles que os cidadãos de uma sociedade estável e homogénea têm, por convénio ou costume estabelecido, direitos concedidos a si próprios, e que, enquanto os cidadãos podem mostrar bondade para com os alienígenas, escravos e cães, tais seres, obviamente, não podem ter direitos.”

“Eles não acreditam que um terço de um Deus se encarnou na região mais miserável da Terra para associar-se com camponeses analfabetos, arengar a ralé de uma raça bárbara, e magicamente exalta o ignorante e o inculto ‘fazer loucura da sabedoria deste mundo’, de modo que ‘os últimos serão os primeiros’ – que eles não acreditam, mas eles se agarram ao ódio mórbido de superioridade que faz com que cristãos dotem os que são humildes, inferiores, irracionais, perversos, deformados e degenerados.”

“Eles tagarelam sobre a “santidade da vida humana” – especialmente os mais vis formas dela – sem refletir que é preciso um deus criador para fazer algo sagrado. E eles agitam freneticamente por uma “igualdade” universal que só pode ser alcançada através da redução de todos os seres humanos ao nível do menor, evidentemente, não sabem que estão apenas ecoando anseio frequentemente expressos dos cristãos para se tornarem ovelhas (o mais estúpido de todos os mamíferos) conduzidos por um bom pastor, que está implícito em todos os contos do Novo Testamento, embora a maioria sem rodeios expresse em outro evangelho, que relata Jesus a prometer que depois que ele fizer das populações mais civilizados da Terra torturadas e massacradas, haverá uma Ressurreição, e os seus animais de estimação ovinos irão saltar das sepulturas, todos da mesma idade, todos do mesmo sexo, todos da mesma altura, e todos a possuir características indistinguíveis, de modo que eles serão tão idénticas quanto as abelhas num enxame.”

“Embora os ‘cultos liberais’ e marxistas tenham diferenças doutrinárias tão grandes como aquelas que separam luteranos de baptistas, eles são basicamente a mesma superstição, e se devemos ou não chamá-los de religiões depende de nós restringimos a palavra a crença em seres sobrenaturais ou estendê-la para incluir todas as formas de fé cega baseados em excitação emocional em vez de factos observados e razão. Quando esses cultos ‘ateus’ gritam seu ódio aos ‘fascistas’ e ‘nazis’, eles obviamente tem que acreditar que as pessoas más estão possuídas pelo Diabo e devem, portanto, ser convertidas ou exterminadas para promover a santidade e amor. E quando eles veem os ‘racistas’, que impiedosamente substituem facto e razão pela impensada fé em contos de fadas aprovados, o seu desejo de extirpar o mal é tão grande quanto a da multidão cristã que arrastou a Hypatia justa e muito inteligente de sua carruagem e amorosamente usando conchas de ostras para raspar a carne de seus ossos enquanto ela ainda estava viva.”

“Com poucas exceções, os anticristãos, sem dúvida inconscientemente, mantiveram em suas mentes uma grande parte da doutrina cristã, e eles ainda revivem os elementos mais venenosos do bolchevismo primitivo da Antiguidade, que tinha sido atenuado ou suspenso pelas igrejas estabelecidas nos grandes dias da cristandade. E hoje, os ateus professos não acham estranho que, em todas as questões sociais, eles estejam em acordo substancial com os dervixes uivantes e xamãs evangélicos que, subsidiados com publicidade pródiga pelo Judaísmo organizado que controla os boob-tubes e outros meios de comunicação, participam avidamente na unidade actual para reduzir os americanos à imbecilidade total, com todo o tipo de farsa irracional.”

“A teologia cristã é a avó do bolchevismo.”
– Oswald Spengler

Podemos testemunhar esta afirmação com a bandeira aberta do comunismo cristão:

“Comunistas cristãos procuram alcançar uma mudança social em larga escala. Alguns acreditam que, ao invés de tentar transformar a política e a economia de um país inteiro, os cristãos devem então determinar o comunismo a nível local ou regional apenas.”

A filial latino-americana de Teologia Cristão-Comunista da Libertação, de acordo com teólogos como Leonardo Boff, está enraizada no conceito de que “a prudéncia é a compreensão de situações de crise radical”. Entre os comunistas cristãos, o materialismo histórico é utilizado como uma metodologia de análise para definir a natureza da crise em questão como um produto da dinâmica político-económica e modalidades derivadas do funcionamento do que é chamado de “modo capitalista/imperialista final da produção”. De acordo com este subconjunto da Teologia da Libertação, o desafio para o comunista cristão é, em seguida, definir o que isso significa (no contexto de “uma análise concreta da realidade social concreta”), para afirmar a “opção preferencial pelos pobres e oprimidos”, como Praxis (teoria activa) e, conforme ordenado por uma ética supostamente “enraizada nos ensinamentos beatos de Jesus”.

Teologia Cristão-Comunista da Libertação não é sobre a evangelização em si, mas sim sobre o desenvolvimento de um Ortopraxis (ação ética; a condição de vir à luz; fazer as obras de Deus), que visa conciliar as “éticas beatas” de Jesus, como exposto no Sermão da Montanha, com as lutas sociais existentes contra o que é chamado de “neocolonialismo” ou “capitalismo tardio”. Tanto o comunismo cristão quanto a teologia de libertação martelam na “ortopraxis” e “ortodoxia”.

A narrativa da natureza das lutas sociais contemporâneas é desenvolvida através da “análise materialista” utilizando conceitos historiográficos desenvolvidos por Karl Marx. Um exemplo concreto é o movimento paraguaio Sin Tierra (sem terra), que envolve-se em ocupações de terras diretamente e o estabelecimento de produção socializada cooperativa agrícola em asentamientos. O contemporâneo paraguaio Sin Tierra opera de uma forma muito semelhante ao da era Diggers Reformista. Para Camilo Torres (o fundador do grupo guerrilheiro colombiano ELN), o desenvolvimento desta ortopraxis significa celebrar a Eucaristia católica só entre as pessoas envolvidas na luta armada contra o exército do Estado colombiano, enquanto lutando ao lado deles.

Comunistas cristãos mantem os versículos bíblicos em actos 2 e 4 como prova de que os primeiros cristãos viviam em uma sociedade comunista. A pregação de Thomas Wharton Collens é uma boa descrição de fontes bíblicas a serem usadas com o objectivo de uma sociedade de propriedade comum; Prof Jos P. Miranda, “Comunismo en la Biblia” (1981), traduzido como “Communism in the Bible” (Maryknoll, NY: Orbis Books, 1982).

Mas, além disso, eles também citam numerosas outras passagens bíblicas que, em sua opinião, apoiam a ideia de que o comunismo é o sistema social mais ético e que é inescapavelmente constitutivo do reino de Deus na Terra. O mais citado desses trechos bíblicos são tomados dos três Evangelhos sinópticos, que descrevem a vida e ministério de Jesus.

Uma das observações mais famosas de Jesus quanto aos ricos podem ser encontrados em Mateus – 19:16-24 (o mesmo evento também é descrito em Marcos 10:17 e Lucas 18:18-25, e a metáfora de um camelo passar pelo buraco de uma agulha é comum a ambos Mateus e Lucas).

21 Disse-lhe Jesus: Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu, e vem e segue-me.
22 Mas o jovem, ouvindo esta palavra, retirou-se triste, porque possuía muitos bens.
23 Então disse Jesus aos seus discípulos: Em verdade vos digo que um rico dificilmente entrará no reino dos céus.
24 E outra vez vos digo que é mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que um rico entrar no reino de Deus.

Jesus também descreveu “cambistas” (isto é, aqueles envolvidos em troca de moeda) como “ladrões” e os expulsou do Templo em Jerusalém. Isto é descrito em Mateus 21:12-14, Marcos 11:15 e João 2:14-16.

Além disso, actitudes comunistas e implicações pode ser encontradas em Levítico 25:35-38. Mais significativamente, isso faz parte da Lei de Moisés, e como tal é o mandamento em vez de exortação ou veiculação de opinião. Este facto tem pesadamente sobre subsequente discussão da questão do abandono voluntário ou compulsivo de riquezas, seja como uma eventual exigéncia de ganho da graça cristã ou como um meio de alcançar as intenções divinas para a ordem social humana. 5

Ler também:
A Judaicidade dos Ensinamentos Comunistas de Jesus

Paralelos entre a Bíblia e o Manifesto Comunista

Referências:
1 Página 108, The Goebbel’s Diaries, editado e traduzido por Louis P. Lochner © 1971 pela Universal-Award House, Inc., 1948 por Doubleday & Company, Garden City NY.
2 en.wikipedia.org/wiki/Christian_communism
3 en.wikipedia.org/wiki/League_of_the_Just
4 en.wikipedia.org/wiki/Communist_League
5 en.wikipedia.org/wiki/Christian_communism
“Which Way Westeern Man?”, por William Gayley Simpson

VOLTAR PARA EXPONDO O CRISTIANISMO

VOLTAR PARA SOL NEGRO 666

VOLTAR PARA TERCEIRO REICH E O CRISTIANISMO