Skip to content

2000 Anos de Assassinato Ritual Judaico

(Não diferente do antigo testamento da Bíblia “sagrada”)

Os judeus trabalharam muito duro para impedir os satanistas/pagãos de serem ouvidos quando se fala dos crimes judaicos contra a humanidade. O máximo que tu encontrarás geralmente a respeito da verdade sobre os assassinatos rituais judaicos são de cristãos. No Talmude e nos Protocolos dos Sábios de Sião, os judeus substituíram o termo gentio (pagão/satanista, cujo Deus é Satan) com “cristão” e “Cristo”.

Como a Suma Sacerdotisa Maxine escreveu em um sermão sobre como os judeus enganam, “cristão” é uma palavra chave para pagão/satanista. Com isso, os judeus não estão blasfemando seu amado messias Jesus de Nazaré (Ben Yahashua), mas Satan, que é o verdadeiro Deus dos gentios. Há milhões de outros casos de assassinato ritual judaico, mas aqui está uma lista abrangente que engloba desde os anos antes da era comum até 1932. Satan exige que os gentios vejam os judeus como os pedófilos assassinos doentios, bastardos mentirosos que eles realmente são. Aqueles que leem isso e ainda não tem problema algum com a raça judia, tem um desejo de morte.

“Os sacrifícios humanos são ainda hoje praticados pelos judeus da Europa Oriental… Como está estabelecido no comprimento pelo falecido Sir Richard Burton no Oriente Médio, que os judeus ricos da Inglaterra já cercaram o céu e a terra para suprimir, e evidenciado pelos Pogroms sempre recorrentes, a qual tão sem sentido e proclamado é feito por aqueles que vivem entre os degenerados judeus, que são nada menos que canibais”.
– Aleister Crowley

O mais antigo dos historiadores, Heródoto, nos informa sobre o culto hebraico de sacrifício humano. Ele escreve: “Os hebreus sacrificam seres humanos ao seu Deus Moloch”. (Herodotus, vol. II, pg. 45)

Os assassinatos rituais que foram passados através de escritos desde antes da era atual até os dias de hoje são:

169 AC – “Rei Antíoco Epifânio da Síria, durante a pilhagem do Templo de Jerusalém, encontrou um grego deitado em uma cama em uma câmara secreta. Ele pediu ao rei para salvá-lo quando ele começou a implorar, os atendentes lhe disseram que uma lei secreta ordenou que os judeus sacrificassem seres humanos em um determinado momento anualmente. Eles, portanto, procuraram um estranho que eles poderiam entrar ter em seu poder. Eles o engordaram, levaram-no para dentro da floresta, sacrificaram- no, comeram um pouco de sua carne, beberam um pouco de seu sangue, e jogaram os restos mortais de seu corpo em uma vala”. (Flávio Josefo, historiador judeu, Contra Apionem)

418 DC – Baronius relata a crucificação de um menino pelos judeus no Imm, entre Alepo e Antioquia.

419 DC – No distrito sírio de Imnestar, entre Chalcis e Antioquia, os judeus amarraram um menino a uma cruz em um feriado e o açoitaram até a morte. (Sócrates)

425 DC – Baronius relata a crucificação de um menino.

614 DC – Após a conquista de Jerusalém, os judeus compraram, por uma pequena quantia de dinheiro, 90 mil prisioneiros do rei persa Chosros II e assassinaram todos eles nas formas mais repugnantes. (Cluverius, Epítome Hist. pg. 386)

1071 DC – Vários judeus de Blois crucificaram uma criança durante a celebração da Páscoa, colocaram seu corpo em um saco e jogaram-no no Loire. Conde Theobald queimou os culpados vivos. (Script VI 520 Robert de Mons, Mon. Germ. Hist.)

1144 DC – Em Norwich, durante a Páscoa, o menino de 12 anos St. William foi amarrado pelos judeus locais, pendurado em uma cruz e seu sangue drenado de uma ferida em seu lado. Os judeus esconderam o cadáver na floresta próxima. Eles foram surpreendidos por um cidadão local, Eilverdus, que foi subornado com dinheiro para ficar quieto. Apesar disso, o crime ainda se tornou notório. (Ata sancta, III março, vol., P. 590)

1160 DC – Os judeus de Gloucester crucificado uma criança. (Mons Germ hist Script 520)

1179 DC – Em Pontoise, em 25 de março, antes da Páscoa, os judeus massacraram e drenaram o sangue do corpo de St. Richard. Devido a isto, os judeus foram expulsos da França. (Rob. do turno., Rig.u.Guillel. Amor).

1181 DC – Em Londres, por volta da Páscoa, perto da igreja de St. Edmund, os judeus assassinaram uma criança com o nome de Roertus. (Ata Sanct, III Vol março, 591)

1181 DC – Em Saragoça, os judeus assassinaram uma criança chamada Dominico. (Blanca Hispania Illustrata, tom. III, p. 657)

1191 DC – Os judeus de Braisme crucificaram um gentio que lhes havia acusado de roubo e assassinato, depois de o terem anteriormente arrastado pela cidade. Devido a isto, o Rei Filipe Augusto, que tinha vindo pessoalmente para Braisme, queimou oitenta deles. (Rigordus, Hist. Gall.)

1220 DC – Em Weissenburg, na Alsácia, no dia 29 de junho, os judeus assassinaram um menino, St. Heinrich. (Murer, Helvetia sancta).

1225 – Em Munique uma mulher, atraída pelo ouro judeu, roubou uma criança pequena de seu vizinho. Os judeus drenaram o sangue da criança. Pego em sua segunda tentativa, o criminoso foi entregue aos tribunais. (Meichelbeck, Hist. Bavariae II. 94) 1235 DC – os judeus cometeram o mesmo crime em 01 de dezembro de Erfut. (Henri Desportes, Le Mystère du sang, 66)

1236 DC – Em Hagenau na Alsácia, três garotos da região de Fulda foram atacados pelos judeus em uma fábrica durante a noite e os mataram a fim de obter seu sangue. (Trithemius; Chronicle of Albert de Strassburg)

1239 DC – Uma insurreição geral em Londres por causa de um assassinato cometido secretamente pelos judeus. (Mateus v Paris, Grande Chron.)

1240 DC – Em Norwich, os judeus circuncidaram uma criança gentia e a mantiveram escondido no gueto, a fim de crucificá-la mais tarde. Depois de uma longa procura, o pai encontrou o filho e informou ao Bispo Wilhelm de Rete. (Mateus v Paris, op. Cit. V. 39)

1244 DC – Na igreja de São Bento, em Londres, o corpo de um rapaz foi encontrado com cortes e arranhões e, em vários lugares, com carateres hebraicos. Ele havia sido torturado e morto, e seu sangue tinha sido drenado. Judeus batizados, forçados a interpretar os sinais hebraicos, encontraram o nome dos pais da criança e leram que a criança tinha sido vendida aos judeus quando era muito jovem. Judeus notáveis deixaram a cidade em segredo.

1250 DC – Os judeus de Saragoça adotaram o dogma horrível que todos os que doassem um filho para o sacrifício seria libertado de todos os impostos e dívidas. Em junho de 1250, Moisés Albay-Huzet (também chamado Albajucetto) entregou um garoto de 7 anos de idade, Dominico del Val aos judeus para crucificação. (Johan. a Quaresma, Schedias, hist. De pseudomes, Judaeorum, p. 33)

1255 DC – A Lincoln, na Inglaterra, nos Dias de Pedro e de Paulo, o garoto de 8 anos, St. Hugh, foi sequestrado pelos judeus locais, escondidos, e mais tarde crucificado. Os judeus espancaram-no com varas por tanto tempo que ele quase perdeu todo o seu sangue. (Ata de santa 06 de julho 494)

1257 DC – para que pudessem cumprir o seu sacrifício anual, os judeus de Londres massacrado uma criança. (Cluvirius, Historiarum epítome, p. 541. Col I)

1260 DC – Os judeus de Weissenburg mataram uma criança (Annal. Colmariens)

1261 DC – Em Pforzheim uma menina de 7 anos de idade, que havia sido entregue aos judeus, foi colocada sobre um pano de linho e esfaqueada em seus membros, a fim de encharcar o pano com sangue. Em seguida, o corpo foi jogado no rio. (Thomas, Cantipratanus, de ratione Vitæ.)

1279 DC – Os judeus mais respeitáveis de Londres crucificaram uma criança no dia 2 de abril. (Florent de Worcester, Chron. 222)

1279 DC – A crucificação de uma criança em Northampton depois de indescritíveis torturas. (Henri Desportes Le Mystère du sang, pg. 67)

1282 DC – Em Munique, os judeus pegaram um menino pequeno e esfaquearam-no por todo o corpo. (Rader., Bavar. Sancta I. Bd. pg. 315)

1283 DC – Uma criança foi vendida por sua enfermeira para os judeus de Mainz, que o mataram. (Baroerus DC ano No. 61. Annalen von Colmar)

1286 DC – Em Munique, os judeus martirizaram dois meninos. A sinagoga de madeira foi incendiada e 180 judeus foram queimados até a morte. (Murer, Helvetia sancta).

1286 DC – Em abril, a Oberwesel no Reno, o menino de 14 anos, St. Werner foi lentamente torturado até a morte pelos judeus ao longo de um período de 3 dias. (At. sct. II. Bd. B. Abril pg. 697 bis 740.)
1287 DC – Os judeus em Berna sequestraram St. Rudolf na Páscoa, torturaram a criança terrivelmente e, finalmente, cortaram sua garganta. (Hein, Murer, Helvetia sancta).

1292 DC – Em Colmar, os judeus mataram um menino. (Ann. Colm., II, 30)

1293 DC – Em Krems, os judeus sacrificaram uma criança. Dois dos assassinos foram punidos, os outros salvaram-se através do poder do ouro. (Monum. XI, 658)

1294 DC – Em Berna, os judeus assassinaram uma criança novamente. (Ann Colm, II, 32;.. Henri Desportes, Le Mystère du sang, p 70)

1302 DC – Em Reneken o mesmo crime. (Ann. Colm. II, 32)

1303 DC – No Weissensee em Thuringen o jovem estudante Conrad, o filho de um soldado, foi morto na Páscoa. Seus músculos foram cortados em pedaços e suas veias foram abertos, a fim de drenar todo o seu sangue.

1305 DC – Em Praga, por volta da Páscoa, um gentio, que foi forçado pela pobreza a trabalhar para os judeus, foi pregado a uma cruz, enquanto nu, ele foi espancado com varas e cuspido no rosto. (Tentzel)

1320 DC – Em Puy, um menino do coro da igreja local foi sacrificado.

1321 DC – Em Annecy, um jovem sacerdote foi morto. Os judeus foram expulsos da cidade por um decreto do rei Felipe V. (Denis de Saint-Mart.)

1331 DC – No Überlingen na atual Baden, judeus jogaram o filho de um cidadão chamado Frey em um poço. As incisões foram encontrados mais tarde demonstrado anterior a isso, o sangue de seu corpo o foi drenado. (Joh. Vitoduran, Chronik).

1338 DC – Os judeus massacraram um nobre de Franconia, em Munique. Seu irmão preparou um verdadeiro banho de sangue contra os judeus. (Henri Desport)

1345 DC – Em Munique, judeus abriram as veias do menino Heinrich, e o esfaquearam mais de 60 vezes. A Igreja canonizou Heinrich. (Rad. Bav. Sct. II p. 333)
1347 DC – Em Messina, uma criança foi crucificada na sexta-feira. (Henri Desport) 1350 DC – O menino Johannes, um estudante da escola monástica de St. Sigbert em
Colônia, deu seu último suspiro antes de ser esfaqueado por judeus locais. (Ata sancta., Aus den Kirchenakten v Koln).

1380 DC – No Hagenbach na Suábia vários judeus foram surpreendidos enquanto massacravam uma criança. (Martin Crusius, Anuário da Suábia, Parte III, Livro V)

1401 DC – No Diessenhofen na Suíça (perto de Schaffhausen), o menino de 4 anos, Conrad Lory, foi assassinado. Foi dito que seu sangue tenha sido vendido pelo noivo Johann Zahn por 3 florins para o judeu Michael Vitelman. (Ata sancta).

1407 DC – Os judeus foram expulsos da Suíça por causa de um crime semelhante na mesma região. (Ibid.)

1410 DC – Na Turíngia, os judeus foram expulsos por causa de um assassinato ritual que foi descoberto. (Boll. II, em abril de 838. Baronius 31)

1429 DC – No Ravensburg em Wurttemberg, Ludwig van Bruck, um rapaz da Suíça que estava estudando na cidade e vivia entre os judeus, foi martirizado por três judeus em meio a inúmeras torturas e violações sexuais. Isso aconteceu durante um festival judaico grande (Pêssach) entre a Páscoa e Pentecostes. (Baron. 31, Ata sancta. III. Bd. Des abril pg. 978)

1440 DC – Um médico judeu em Pavia, Simon de Ancona, decapitou uma criança de 4 quatro anos de idade, que foi sequestrada e levada a ele por um gentio degenerado. O crime tornou-se notório quando um cão pulou de uma janela para a rua com a cabeça da criança. O assassino fugiu. (Alphonsus Spina, de bello Judaeorum lib. III. Confid. 7.)

1452 DC – Em Savona, vários judeus mataram uma criança de 2 anos de idade. Eles furaram todo o seu corpo e recolheram o sangue no vaso que eles usaram para a circuncisão dos seus filhos. Os judeus pingava pequenos pedaços de frutas fatiadas no sangue e fizeram uma refeição. (Alphonsus Spina, de bello Judaeorum lib. III, confid. 7.)

1453 DC – Em Breslau, os judeus sequestraram uma criança, engordaram-na e colocaram-na em um barril forrado com pregos, que rolou para trás e para a frente, a fim de extrair o sangue da criança. (Henri Desportes, Le Mystère du sang, 75)

1454 DC – Nas propriedades de Louis de Almanza em Castela, dois judeus mataram um menino. Eles arrancaram o coração e o queimaram; jogaram as cinzas no vinho que beberam com seus correligionários. Ao gastar somas consideráveis, eles conseguiram atrasar o julgamento, uma vez que dois dos três advogados eram de ascendência judaica. Posteriormente, os judeus foram expulsos da Espanha. (Alphonsus Spina, de bello Judaeorum)

1462 DC – Em uma bétula em Rinn perto de Innsbruck, o menino Andreas Oxner foi vendido para os judeus e sacrificado. A Igreja o canonizou. A capela chamada “Zum Judenstein” (“Para a Rocha dos Judeus) foi construída. (Ata sancta., III. Julho Vol I. 472)

1468 DC – No Sepulveda, na Castile Velha, os judeus crucificaram uma mulher na sexta-feira sobre a ordem do rabino Solomon Pecho. (Did. de Colm. Gesch. Seg v.)

1470 – Em Baden, judeus foram condenados pelo assassinato de uma criança. (Tho. Patr. Barbar).

1475 DC – Em Trent em 23 de março (Quinta-feira Santa) antes da Páscoa, os judeus sacrificaram um bebê de 29 meses de idade, St. Simon.

1476 DC – Os judeus em Regensburg assassinaram seis crianças. O juiz, no cofre subterrâneo de um judeu chamado Josfol, encontrou os restos mortais das vítimas assassinadas, bem como uma tigela de pedra manchada de sangue em uma espécie de altar. (Raderus Baviera sancta Banda III, 174)
1480 DC – Em Treviso, um crime semelhante ao de Trento foi cometido: o assassinato do canonizado Sebastiano, de Porto-Buffole de Bergamo. Os judeus drenaram seu sangue. (H. Desportes, Le Mystère du sang 80)

1480 DC – No Motta em Veneza os judeus mataram uma criança na Páscoa. (Ata sancta I. Bd d. 3 de abril)

1485 DC – Em Vecenza, os judeus massacraram St. Laurentius. (Papa Bento XIV Touro. Beatus Andreas)

1490 DC – A Guardia, perto de Toledo, os judeus crucificado uma criança. (Ata sancta I. Bd. D. 3 de abril)

1494 DC – No Tyrnau na Hungria, 12 judeus apreenderam um menino, abriram suas veias, e cuidadosamente drenaram seu sangue. Eles beberam um pouco dele e preservaram o resto para seus correligionários. (Banfin Fasti, ungar. Br. III. 5 de dezembro)

1503 DC – Em Langendenzlingen, um pai entregou o filho de 4 anos de idade, mais de dois judeus de Waldkirchen em Baden por 10 florins sob a condição de que ele seria devolvido vivo depois de uma pequena quantidade de sangue tivesse sido drenada.
No entanto, eles drenaram tanto sangue da criança que ela morreu. (Ata sancta II Bd des abril p 839: Dr. João Eck, Judebbuchlien)

1505 DC – Um crime, similar ao de Langendenzlingen em 1503, foi tentado em Budweis na Boêmia. (Henri Desportes, Le Mystère du sang. 81)

1509 DC – Vários judeus… Assassinaram várias crianças. (Cluverius, epítome hist. Etc p. 579)

1509 DC – Os judeus em Bosingen, Hungria, sequestraram o filho de um fabricante de rodas, arrastaram-no para a adega, torturaram-no horrivelmente, abriram todas as suas veias e sugaram o sangue com penas. Depois jogaram seu corpo em uma cerca viva, que os judeus admitiram após repetidas negações. (Ziegler Schonplatz p. 588, col. 1,2)

1510 DC – Em Berlim, os judeus Salomon, Jacob, Aaron, Levi Isaac, o rabino Mosch e o açougueiro Jacob foram acusados da compra de um menino de três ou quatro anos de idade, por 10 florins de um estranho, colocando-o em uma mesa em um porão, e perfurando-o com agulhas nas grandes veias ricas em sangue, até que foi finalmente abatido pelo açougueiro Jacob. Uma enorme julgamento começou, e, eventualmente, uma centena de judeus foram trancados na prisão de Berlim. Eles parcialmente admitiram ter comprado filhos de estranhos, apunhalado-os, sugado e bebido o sangue em caso de doença ou preservá-lo com tomates, gengibre e mel. Não menos de 41 dos judeus acusados foram condenados à morte por cremação após a sua confissão. Todos os outros judeus foram banidos do Mark of Brandenburg. (Richard Mun: “Os judeus em Berlim)

1520 DC – Os judeus na Hungria repetiram o crime de 1494 pelo assassinato de uma criança em Tyrnau e Biring, e drenaram seu sangue. (Ata sancta II. Bd. D. Abril p. 839)

1525 DC – Um assassinato ritual em Budapeste provocou um movimento anti-semita generalizado entre a população. Neste ano, os judeus foram expulsos da Hungria (Henry Desportes, Le Mystère du sang 81)

1540 DC – No Sappenfeld na Baviera, o garoto de 4 anos de idade, Michael Pisenharter foi sequestrado de seu pai antes da Páscoa e levado para Titting (norte de Ingolstadt), onde sofreu as mais horríveis torturas por três dias, suas veias foram abertas e seu sangue drenado. O cadáver apresentava sinais de uma crucificação. O sangue foi encontrado em Posingen. (Raderus, Baviera sancta. III. Bd. 176F)

1547 DC – Em Rava na Polônia 2 judeus sequestraram um menino de um alfaiate chamado Michael e o crucificaram. (Ata sancta II. Bd. Abril p. 839)

1569 DC – Em Vitov, Polônia, Johann, dois anos de idade, filho da viúva Kozmianina, foi barbaramente assassinado por Jacob, um judeu de Leipzig. (Ata sancta ebenda).

1571 DC – MA Bradaginus foi massacrado pelos judeus. (Seb. Munster, Cosmographia)

1571 DC – Joachim II, eleitor de Brandemburgo, foi envenenado por um judeu, com quem teve uma relação de confiança. (Scheidanus X. Buch. Seiner Hist. Pag. 60)

1573 DC – Em Berlim, uma criança que tinha sido vendida por um mendigo foi torturada até a morte por um judeu. (P Sartorious 53.)

1574 DC – Em Punia na Letónia, o judeu Joachim Smierlowitz matou uma farota de 7 anos chamada Elizabeth pouco antes da Páscoa… Nessa época um menino em Zglobice foi roubado e levado para Tarnow, onde outro menino foi encontrado nas mãos dos judeus em circunstâncias suspeitas: os dois foram libertados a tempo. (At. sancta II. Bd. D. Abril p. 839)

1575 DC – Os judeus mataram uma criança, Michael de Jacobi. (Desportes) 1586 DC – Em uma série de casos, as crianças foram sequestradas de seus pais e assassinadas; por investigar esses crimes, Rupert chegou aos judeus. (Brouver Trier”schen Ann. V J. 1856)

1592 DC – No Wilna, um menino de 7 anos de idade, Simon, foi terrivelmente torturado até a morte pelos judeus. Mais de 170 feridas, feitos por facas e tesouras, foram encontrados em seu corpo, além dos inúmeros cortes em seus dedo e unhas. (Ata sancta III. Bd. Des Juli)

1595 DC – No Costyn em Posen uma criança foi torturada até a morte pelos judeus. (Ata sancta 389)

1597 DC – Em Szydlov o sangue de uma criança foi usado na consagração de uma nova sinagoga. As pálpebras, pescoço, veias, membros, e até mesmo os órgãos sexuais da criança tinham inúmeras perfurações. (Ata sancta, II Bd. Des de abril)

1598 DC – Na aldeia de Wodznick, na província polonesa de Podolia, o garoto de 4 anos de idade… Filho de um agricultor foi sequestrado por dois jovens judeus e massacrado quatro dias antes da Páscoa judaica pelas torturas mais horrível em que os judeus mais respeitados da comunidade participaram. (Ata sancta, II Banda des abril 835)

1650 DC – No Kaaden na Estíria, o garoto de 5 anos e meio de idade, Mathias Tillich foi massacrado por um judeu em 11 de março. (Tentzel)

1655 DC – No Tunguch na Baixa Alemanha os judeus assassinaram uma criança para a celebração da Páscoa. (Tentzel, monatl. Unterred. V Juli 1693 p. 553)

1665 DC – Em Viena, os judeus massacraram uma mulher no dia 12 de maio, na forma mais terrível. O cadáver foi encontrado em uma lagoa em um saco pesado com pedras. Foi completamente coberto de feridas, decapitada e as pernas foram cortadas abaixo dos joelhos. (Von H. A. Ziegler, Tagl. Schaupl. P. 553)

1669 DC – No caminho de Metz a Boulay, perto da aldeia de Glatigny, no dia 22 de setembro, uma criança de 3 anos de idade foi sequestrada de sua mãe pelo judeu Raphael Levy. Ele foi terrivelmente massacrado. Seu corpo foi encontrado brutalmente mutilado. O assassino foi queimado vivo em 17 de janeiro de 1670. (Abrégé proces du fait aux Juifs de Metz, EBD. 1.670)

1675 DC – Em Miess em Bohemia uma criança de 4 anos de idade, foi assassinada pelos judeus no dia 12 de março. (Ata sancta II. Bd. Des de abril)

1684 DC – Na aldeia de Grodno, o governo de Minsk, na Rússia, o judeu Schulka sequestrou a o garoto de 6 anos, Gabriel, e levou-o para Bialystock onde, na presença de vários judeus, foi torturado até a morte e seu sangue drenado . (Registros do magistrado em Zabludvo)

1753 DC – Na sexta-feira, dia 20 de abril, em uma aldeia perto de Kiev (Rússia), o garoto de 3 anos e meio de idade, filho do nobre Studzinski foi sequestrado pelos judeus, escondido em uma taverna até o fim do sábado, e, em seguida, monstruosamente sacrificado com a ajuda do rabino Schmaja. O sangue foi vertido em várias garrafas. (Registro Criminal do Tribunal de Kiev City)

1764 DC – O filho de 10 anos de Johann Balla, que havia desaparecido no dia 19 de junho a partir Orkul, Hungria, foi encontrado em um bosque vizinho, coberto com muitas feridas. (Tisza-Eslar, von einem ungarischen Ubgeordneten 108)

1791 DC – No dia 21 de fevereiro, o corpo do garoto de 13 anos de idade, Andreas Takals, que vivia com um judeu chamado Abraham, foi encontrado fora de uma aldeia perto de Tasnad (Siebenburgen). O sangue tinha sido drenado, cortando-se a veia jugular. (Ger.-Akt i.d. Archiv. Zilah v.)

1791 DC – Ao mesmo tempo, dois assassinatos sangrentos foram relatados em Holleschau (Morávia) e no Woplawicz no Distrito de Duplin. (Tisza-Eslar, v.e. ungar. Abgeord).

1791 DC – Durante o reinado do sultão Selim III, os judeus em Pera mataram um jovem grego, suspendendo-o de uma árvore por suas pernas. (Henri Desportes)

1803 DC – No dia 10 de março, o judeu de 72 anos, Hirsch de Sugenheim, sequestrou uma criança de 2 anos de idade, entre Ullstadt e Lengenfeld em Buchof perto de Nuremberg. Vários dias depois, o judeu negou ter estado em Buchhof a todos no dia 10 de março. O pai da criança, que queria provar o contrário com testemunhas, foi rejeitado no tribunal com ameaças e insultos. No 12º dia a criança foi encontrada morta, com a língua cortada e a boca cheia de sangue. Os judeus assediaram o governador do distrito de Newstadt naquele tempo até que o assunto acabou por sua satisfação. O pai foi forçado sob ameaças a assinar um protocolo, ao qual atestou que a criança, ainda quente, quando ela foi encontrada, havia congelado até a morte. (Friedr. Oertel , “Was glauben die Juden?” Bamberg, 1823)

1804 DC – Em Grafenberg perto de Nuremberg um menino de 2 a 3 anos de idade, foi sequestrado por um velho judeu de Ermreuth pelo nome de Bausoh. Os soldados correram para evitar o crime depois de ouvir gritos da criança. (Dr. J. W. Chillany)

1810 DC – Entre os registros do julgamento Damasco existe uma carta de John Barker, ex-cônsul de Aleppo, que fala de uma pessoa pobre que, de repente desapareceu de Aleppo. O hebreu Raphael de Ancona foi acusado de tê-la abatido e drenando todo o seu sangue. (A. Laurent. Affaires de Syrie)

1812 DC – Na ilha de Corfu em outubro três judeus que haviam estrangulado uma criança foram condenados à morte. Algum tempo depois, o filho de um grego, chamado de Riga, foi sequestrado e morto pelos judeus. (Achille Laurent, Affaires de Syrie)

1817 DC – A acusação do assassinato cometido neste ano, contra a menina Marianna Adamoviez, foi anulada devido a um lapso de tempo.

1823 DC – No dia 22 de abril, em Velisch no governo russo de Vitebsk, o garoto de 3 anos e meio de idade, filho do inválido Jemelian Ivanov foi sequestrado, torturado até a morte, e seu sangue drenado. Apesar de uma grande quantidade de declarações de testemunhas cobrando os judeus, o julgamento foi subitamente interrompido. (Pavlikovsky, ebenda.)

1824 DC – Em Beirute o intérprete Fatch-Allah-Seyegh foi assassinado pelo seu proprietário judeu, como o inquérito estabeleceu, para fins rituais.

1826 DC – Em Varsóvia, um menino de 5 anos de idade, foi encontrado morto, cujo corpo tinha mais de cem feridas, mostrando que seu sangue tinha sido drenado. Toda Varsóvia estava em um estado de insurreição, em todos os lugares os judeus protestaram sua inocência, sem ter sido acusado. As deposições feitas às cortes, em conjunto com a evidência médica, foram removidos dos documentos. (Pavlikovski, wie oben p. 282)

1827 DC – No Vilna, na Rússia foi encontrado o cadáver esfaqueado do filho de um fazendeiro, Ossib Petrovicz,. De acordo com o testemunho do garoto de 16 anos, pastor Zulovski, ele foi sequestrado pelos judeus. (Nach einer Mitteilung des gouvernement Vilna.)
1829 DC – Em Turim, a esposa do comerciante Antoine Gervalon foi sequestrada. No porão, ela estava preparada para o sacrifício dela por dois rabinos. Com sua última gota de força que ela respondeu a seu marido, que estava passando por o bairro judeu com vários soldados, chamando seu nome em voz alta. Assim, ela foi libertada. No entanto, os judeus conseguiram abafar o incidente com o dinheiro. (Auszug aus einem Briefe des Barons von Kalte)

1831 DC – O assassinato da filha de um cabo da Guarda em São Petersburgo. Quatro juízes reconheceu-o como um crime de sangue, enquanto um quinto duvidava. (Desportes)

1834 DC – De acordo com o testemunho de Ben Nound, judia que se converteu ao cristianismo, um homem gentio velho em Trípoli foi amarrado por quatro ou cinco judeus e enforcado em uma laranjeira por seus dedos. No momento em que o velho estava perto da morte dos judeus cortaram sua garganta com uma faca de açougueiro e deixaram o corpo cair até que todo o sangue havia sido coletado em uma tigela. (Henri Desportes, Le Mystère du sang. 91)

1839 DC – Na Ilha de Rodes, o filho de 8 anos do comerciante, que estava entregando ovos a alguns judeus, não retornou. Poder do dinheiro judeu entrou em vigor, e os processos judiciais foram adiados e finalmente suprimidos. (Henri Desportes, Le Mystère du sang. 92)

1839 DC – Em Damasco, o escritório de alfândega descobriu um judeu com uma garrafa de sangue. O judeu ofereceu 10 mil piastras, a fim de abafar o caso. (Cf. Prozess bei A. Laurent, op. Cit. S. 301)

1843 DC – Assassinatos de crianças gentias pelos judeus em Rhodes, Corfu e em outros lugares. (Famont L”Egypte sous Mehemet Ali, Paris, 1843)

1875 DC – No Zboro, no condado de Saros, na Hungria, vários judeus atacaram a serva de 16 anos, Anna Zampa, na casa de seu mestre, Horowitz. A faca foi levantada em cima dela quando um cocheiro acidentalmente interveio, salvando-a. O presidente do tribunal, Bartolomeu Winkler, que estava em dívida para com os judeus, estava com medo de levar os criminosos à justiça.

1877 DC – Na aldeia de Szalaacs, no país de Bihar (Hungria), a sobrinha de 6 anos de idade de Josef Klee, Theresia Szaabo, e seu sobrinho de 9 anos, Peter Szaabo, foram assassinados por judeus. No entanto, um médico judeu realizou o inquérito, que declarou que as crianças não foram assassinadas, terminando assim o caso. (M. Onody, ebenda).

1879 DC – Em Budapeste, antes da festa de Purim, uma serva jovem no Bairro Judeu foi colocada para dormir com bebida. 24 horas após a festa, ela acordou tão fraca que mal podia andar. Em seu antebraço direito, sua coxa esquerda, e seu corpo abaixo do umbigo, ela descobriu feridas circulares vermelhas, como manchas de sangue, com pequenas aberturas no centro. Seu sangue tinha sido drenado. (M. Onody, ebenda).

1879 DC – No Kutais no Cáucaso, 4 vendedores de imagem judeus mataram uma menina de 6 anos. Os dedos foram cortados com uma faca, nas pernas, um pouco acima da panturrilha, incisões horizontais tinham sido feitas, e não havia uma gota de sangue em suas veias. Com o auxílio dos judeus poderosos da Rússia os culpados escaparam da punição. (Univers.)

1881 DC – No Kaschau na Hungria, a filha de um certo Josef Koczis desapareceu. Duas semanas mais tarde, o corpo foi encontrado completamente vazio de sangue num poço. (M. Onody, Tisza-Eszlar)

1881 DC – Em Steinamanger a neta de 8 anos de idade de um cocheiro que trabalhava para os judeus desapareceu. (M. Onody, evenda.)

1881 DC – Em Alexandria, os judeus novamente mataram uma criança gentia chamada Evangelio Fornoraki. Os pais da criança estrangulada, descobriram na costa do mar, permitiram um exame post-mortem, que durou vários dias e foi a causa de revoltas contra os judeus. A família Baruch, os principais suspeitos do assassinato, foram preso, mas liberados mais tarde. (Civita Cattolica, von des. 1.881)

1881 DC – Na cidade galega de Lutscha, a serva polonesa Franziska Muich, que trabalhava para o judeu taberneiro Moisés Ritter, e que tinha sido estuprada por ele, foi assassinada por Moisés e sua esposa, Gittel Ritter, de acordo com o testemunho do agricultor Mariell Stochlinski. (Otto Glogau, der Kulturk. Heft. 128. 15. Fevr. 1.886)

1882 DC – No Tisza-Eszlar, pouco antes da Páscoa judaica, a menina de 14 anos Esther Solymosi desapareceu. Desde que a menina foi vista pela última vez nas proximidades da sinagoga, a suspeita foi dirigida imediatamente sobre os judeus. Os dois filhos do servo do templo, Josef Scharf, de 5 anos de idade, Samuel e o de 14 anos de idade Moritz, acusaram seu pai e afirmaram que Esther foi levado para o Templo e massacrada lá. O cadáver da menina nunca foi encontrado.

1882 DC – Pouco tempo depois, um outro caso muito semelhante aconteceu em Gálata. Sérius, um advogado distinto da comunidade grega, enviou uma petição para os representantes de todas as potências européias em Constantinopla para que a justiça pudesse ser feita, mas os judeus subornaram a polícia turca, que permitiu que certos documentos no caso desaparecessem. Médicos subornados declararam que a mãe da criança raptada e assassinada era mentalmente perturbada.

1883 DC – Uma vez mais um assassinato ritual ocorreu em Gálata. A polícia, subornada com dinheiro judeu, impediu uma investigação. O jornal Der Stamboul, que falou fortemente contra os culpados, foi suprimido. Esta supressão custou os judeus 140.000 francos.

1884 DC – No Sturz (Prússia Ocidental), o corpo desmembrado do garoto de 14 anos, Onophrius Cybulla, foi encontrado uma manhã de janeiro sob uma ponte. Conforme opinião do médico, os desmembramentos mostraram grande perícia e destreza no uso da faca. Embora o rapaz assassinado fosse forte e pletórico, o cadáver estava completamente sem sangue. Imediatamente a suspeita caiu sobre vários judeus, e durante a investigação alguns fatos muito preocupantes surgiram.
Estes, no entanto, não foram consideradas suficientes e os judeus detidos foram liberados. (Otto Glagau, der Kulturki, Heft 119 15.. Mai 1885)

1885 DC – Na Mit-Kamar no Egito, um jovem copta foi massacrada para as celebrações da Páscoa.

1888 DC – em Breslau, em julho, um crime foi cometido por Max Bernstein, um candidato Rabínico de 24 anos de idade ao colégio talmúdico, contra um menino de 7 anos de idade, Severin Hacke, que Bernstein tinha seduzido em seu quarto. Bernstein retirou o sangue do órgão sexual do menino. Após o veredicto do juiz Bernstein ele confessou: “A bíblia e o Talmude ensinam que o mais grave dos pecados só pode ser expiado pelo sangue inocente”. Portanto, ele tinha retirado o sangue do menino. Os judeus reconheceram o perigo e declarou que Bernstein era um “maníaco religioso”.

1891 DC – O assassinato de um menino em Xanten, no Reno. O filho robusto de 5 anos do marceneiro Hegemann, foi encontrado à noite às 6 horas em 29 de junho, pela empregada Dora Moll, no estábulo dos Kuppers vereador, com as pernas aparte, colocadas a seu lado um corte circular ritual formado, realizado por uma mão hábil, e o sangrou. O menino foi perdido às 10h30 da manhã. Ele foi visto por três testemunhas, sendo puxado para dentro da casa do açougueiro judeu Buschoff.

1899 DC – No dia 26 de março, a única costureira de 19 anos de idade, Agnes Kurza, foi abatida pela mão do açougueiro judeu Leopold Hilsner. O cadáver foi encontrado sem sangue. O assassino foi condenado à morte pelo tribunal de Kuttenberg.

1900 DC – No Konitz, Prússia Ocidental, em 11 de março de 1900, o calouro de 18 anos, Ernst Winter, foi brutalmente assassinado. Dois dias depois, pedaços de seu corpo desmembrado foram pescados para fora do Monschsee; quase cinco dias depois, em 15 de abril, o primeiro dia santo de Páscoa, a cabeça dele foi encontrada por crianças que brincavam no mato. O cadáver estava completamente sem sangue. Winter foi ritualmente assassinado. O assassinato foi realizado na adega do açougueiro judeu, Moritz Levi, depois que a vítima tinha sido atraída por uma jovem judia. No dia do assassinato, um grande número de judeus estrangeiros estavam em Konitz que partiram no dia seguinte, sem qualquer razão plausível a ser dada para a sua visita.
Entre eles estavam os açougueiros Haller de Tuchel, Hamburger de Schlochau, Eisenstedt de Prechlau e Rosenbaum de Ezersk. O Konitz açougueiro Heimann desapareceu logo após o assassinato.

1911 DC – Um estudante de 13 anos, Andrei Youshchinsky foi assassinado em Kiev em 12 de março. Oito dias depois, seu corpo foi encontrado em uma olaria completamente cortado em pedaços e sem sangue. A suspeita recaiu sobre o gerente judeu da olaria, Mendel Beiliss. O caso não chegou a julgamento até dois anos e meio depois (setembro de outubro 29-28, 1913). No período de intervenção foram feitas inúmeras tentativas de levar os policiais que investigam para o caminho errado. Enquanto isso, um grande número de testemunhas de acusação sofreu morte súbita e não natural; falsas acusações e confissões seguiram se uma após outra, devido a enormes subornos de dinheiro. Atrás do acusado à espreita nas sombras, estava a figura de Faivel Schneerson dos Lubavitchers, líder dos Zadiks (“Santos”) da seita chassidim, que era o diretor espiritual do assassinato. O julgamento terminou com a soltura de Beiliss, mas ao mesmo tempo, o tribunal estabeleceu que o assassinato tinha ocorrido dentro da olaria judaica, que era o centro religioso dos judeus de Kiev, com a finalidade de obtenção de sangue. Quase todos os promotores, testemunhas e autoridades que falaram contra o Judaísmo, mais tarde, foram vítima do terror bolchevique. (Ausfuhrliche Darstellungen des Prozeßes enthalten “Hammer” Nr 271, 273, 274, 275;. Oktober bis Dezember 1913)

1926 DC – os restos mortais dos filhos Hans e Erika Fehse foram encontrados em uma parcela em praça pública em Breslau. As crianças haviam sido massacradas. Os cadáveres estavam sem sangue. Estavam faltando os órgãos genitais. Acreditava-se que o açougueiro judeu era culpado. Ele desapareceu sem deixar vestígios.

1928 DC – O estudante de segundo ano de faculdade, Helmut Daube, foi massacrado na noite do dia 22-23 de marco de 1928. Na parte da manhã, o cadáver com o sangue drenado estava em frente da casa dos pais. (Cfr. «Der Sturmer “)

1929 DC – O assassinato de Manau. O menino Karl Kessler foi encontrado esquartejado e sem sangue em 17 de março de

1929, alguns dias antes da Páscoa. (Cfr. «Der Sturmer “)

1932 DC – Martha Kaspar foi abatida e esquartejada em Paderhorn em 18 de março de

1932. Os pedaços do cadáver foram drenados sangue. O judeu, Moritz Meyer, foi condenado e recebeu 15 anos de prisão. (Cfr. «Der Sturmer “)

“São 131 assassinatos rituais que são conhecidos e têm sido passados para a posteridade por escrito. (LSN: Na verdade, existem alguns outros, particularmente no período antigo, que não estão listados aqui.) Quantos têm ocorrido e ninguém sabe hoje sobre eles! Quantos milhares, sim, talvez centenas de milhares ficaram por ser descobertos! Torturar jovens, seres humanos inocentes, matar e beber o seu sangue, este é o maior e mais terrível aspecto de todos os crimes que Judaísmo Internacional tomou sobre si!”

Esta informação veio de uma fonte que tinha um viés cristão nela, mas o fato de que a maioria da população da Terra ainda não descobriu ainda é que “judaico” e o título irmão “cristão” são nada menos que o mesmo. “Cristão” é na verdade um título que os judeus dão aos incautos que caíram sob o feitiço desta “religião” judaica chamada cristianismo.

Ver também: Mais Sobre Assassinato Ritual Judaico

VOLTAR PARA O VERDADEIRO HOLOCAUSTO